“Rock” in Rio

Eu esperei bastante para escrever sobre o Rock in Rio, na verdade pensava em postar algo somente após o fim do festival. Mas a verdade que todas as impressões já foram dadas, pelo publico e pela imprensa, com o primeiro final de semana e a noite de ontem, com as “melhorias” em relação aos três primeiros dias.

A maior crítica que eu vejo pipocar nas redes é o “Pop in Rio”, a escolha de vários artistas que não são “rock”. Até parece que isso é novo, né? Não, DESDE O ROCK IN RIO 1, em 1985, a premissa do festival é “o encontro dos super nomes da música POPULAR brasileira com os principais grupos da música internacional”.

Vamos de video para atestar? Aproveita e confere os artistas que se apresentaram em 1985:

E em todas as edições foi assim. Desde sempre, o Rock in Rio é “Rock-e-algo-mais in Rio”.

Mas o fato vai além de “mimimi Claudia Leitte não tem nada a ver com Rock”. Afinal de contas, o que caracteriza uma música como “Rock”?

Olha essa citação do Wikipédia:


O som do rock muitas vezes gira em torno da guitarra elétrica ou do violão e utiliza um forte backbeat (contratempo) estabelecido pelo ritmo do baixo elétrico, da bateria, do teclado, e outros instrumentos como órgão, piano, ou, desde a década de 1970, sintetizadores digitais. (…) Em sua “forma pura”, o rock “tem três acordes, um forte e insistente contratempo e uma melodia cativante”.

Hm… Com base nessa descrição, então isso aqui indiscutivelmente é rock:

Não sei se vai ser fácil entender meu raciocínio e o que eu quero dizer, mas o pessoal que reclama de o Rock in Rio não ter só Rock, é muito parecido com o que reclama que o Anime Friends não é só Anime. Não conseguem enxergar um palmo a frente do próprio nariz, e não compreendem que tudo é uma coisa só. Uma pessoa consegue ser fã de dois estilos ao mesmo tempo (Metal e Maracatu, por exemplo). Aliás, essa combinação me lembrou de um outro problema que vivemos nesta edição do Festival.

Em 1985, mesmo com Elba, Alceu Valença, Moraes Moreira, Ivan Lins e tantos outros, as apresentações memoráveis ficaram por conta de AC/DC, Iron Maiden e o ÉPICO show do Queen. Estas bandas estavam no auge, e sua presença no festival era mais que essencial. E olha que ainda teria Def Leppard. No Rock in Rio II, em 1991, foi a vez do Guns ‘n Roses, fenômeno do Rock na época, deixar sua marca na historia do Festival. No terceiro, em 2001, já começou-se a notar uma carência de Rock, e já não teve um show épico como nas duas primeiras edições. Sim, teve shows ótimos, como de Red Hot Chili Peppers e Foo Fighters, as bandas do topo na época.

Para esta edição, a pergunta que não quer calar é: Quais são os maiores nomes do rock na atualidade? O show do Metallica foi sensacional, mas por conta dos hits do passado da banda. Slipknot é o que mais chegou perto de “sucesso da atualidade”. Junte isso, os ótimos shows de Katy Perry e Stevie Wonder, e a PÉSSIMA apresentação do Angra (que sequer foi no palco Mundo) para chegarmos a uma conclusão. Os melhores shows do Festival até o momento não terem sido de artistas “rock” não é culpa do Rock in Rio. A culpa é do Rock, que já não se faz como antigamente.

Roberto Medina é um gênio, pois teve essa ideia antes de todo mundo. E certamente, se o Festival tivesse SOMENTE roqueiros, não alcançaria nem metade do publico que está alcançando hoje.

gostou do que leu? compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

comente!

Fechar Menu