Por que os ingressos de shows no Brasil são tão caros?

Eu já tinha comentado em um post anterior, sobre o quanto algumas pessoas pensam que é fácil trabalhar nesse mercado de eventos. Naquele post, confesso que as palavras saíram mais facilmente devido ao meu descontentamento com esses “produtores” sem compromisso com qualidade ou segurança.

Hoje o tema é outro, e mais voltado para o outro lado desse mercado: o do cliente, sim aquele que sempre tem razão.

Muita gente me pergunta ou questiona por aí: Por que os ingressos dos shows são tão caros? Outros ainda só rasgam o verbo insinuando que os produtores (eu, inclusive) lucram horrores, trocam de carro todo ano e viajam pelo mundo graças aos preços abusivos de ingressos no Brasil. Mas será que tá certo isso? Afinal de contas, por que é tão caro ir a um show aqui no Brasil?

Cirque de Soleil no Brasil é mais caro do que em qualquer lugar do mundo :(
Cirque de Soleil no Brasil é mais caro do que em qualquer lugar do mundo 🙁

Bom, temos que olhar um pouco mais amplamente, para perceber (se isso ainda não aconteceu – abre o olho!) que praticamente TUDO no Brasil é mais caro. Sério, coloca no Google as palavras “Brasil” e “caro”, e olha os resultados:

– Brasil tem o carro mais caro do mundo

– Brasil possui 2º Congresso mais caro do mundo

– Brasil tem terceiro ‘Big Mac’ mais caro do mundo

Ingresso de cinema no Brasil é um dos mais caros do mundo

Entre vários outros. Varios mesmo. TUDO é mais caro no Brasil.

E com os ingressos de shows não é diferente. Mas por que isso? Bem, vejamos:

• Carga tributária

É absurda a quantidade de impostos e taxas recolhidos em shows. Sem listar, dá pra mencionar aqui que de toda a renda BRUTA, parte vai para o ECAD, outra parte para a Ordem dos Músicos do Brasil (sim, mesmo que com artistas internacionais, existe uma taxa a se pagar), ainda tem PIS/COFINS, Imposto de Renda, Prefeitura (ISS), e até mesmo impostos para confecção dos ingressos (ICMS, IPI). Tudo isso “come” 40% do valor do ingresso. Isso mesmo, quase metade do que você paga no seu ingresso é usado somente para pagar impostos e taxas.

• Custo dos serviços

A alta carga tributária brasileira acaba gerando um efeito bola-de-neve em todos os produtos e serviços contratados. Se a gasolina é cara, então o serviço de vans e cargo são caros; restaurantes, suprimentos, material promocional… E claro, locação de equipamentos, hospedagem, passagens aéreas, local para o show… Só pra citar alguns, tudo isso é bem caro se comparar com países vizinhos. Muito disso também se deve ao próximo item:

• Custo Brasil

Esse termo, que a cada dia vem ficando mais popular, é dado ao regime feito por grandes empresários, de qualquer setor, que misturam a velha “lei da oferta e procura” com o “se você não quer, tem quem queira”, e simplesmente aplica a margem de lucro que ele bem quiser. Isso também acontece potencializado pelos altos impostos, o que automaticamente deixa tudo mais caro. Isso aparece mais no custo de grandes casas de show, que ainda impoem várias restrições, o que prejudica a captação de patrocínios e deixa os produtores sem muita opção.

• Meia-entrada

Esse é um assunto bem delicado. Se por um lado o desconto de 50% para estudantes parece uma ótima iniciativa que promove a inclusão cultural, por outro lado acabou por implodir parte de todo um mercado, inclusive o que tem estudantes como maioria de clientes. Esse é o caso de cinemas, parques e, adivinhem, produtores de espetáculos, que aumentaram gradativamente o valor do ingresso – afinal, não é fácil ter que lidar com metade da receita que se recebia antes. No final, quem realmente sai prejudicado é o não-estudante, forçado a pagar um valor alto. O barato, de fato, sai bem caro.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Por fim, depois de tudo isso, ainda tem cachês para pagar (e mais taxas, afinal em transferencias bancárias internacionais, existem vários impostos e o banco fica com boa parte também) e as emergências, que são mais comuns do que se imagina. Os cachês, aliás, são pagos ANTES mesmo do anúncio, ou seja, não se conta com venda de ingressos nem nada.

Trazendo um pouco pra realidade que eu vivo, e sem dar muito detalhe, o valor que se paga aqui por uma casa de show para 3000 pessoas em São Paulo, só a locação, no Chile paga uma casa de show de 5000 pessoas, e mais a locação do equipamento de som. A discrepância é absurda, assim como infelizmente é para o preço dos ingressos.

Shows grandes como o da Madonna, U2, Rolling Stones e outros artistas midiáticos contam, além do ingresso altíssimo, com um bom investimento por parte de patrocinadores. Isso sim eu acho bem injusto. E tem ainda casos em que a produtora é dona do espaço (A T4F tem o Credicard Hall e o Teatro Renault, e a XYZ Live vai inaugurar o Claro Live! House, além do Teatro GEO, da GEO Eventos, que já funciona), o que diminui bastante o custo geral. No final, são os pequenos produtores que mais sofrem num mercado cada vez mais sufocante. Espero estar aqui ainda pra ver a luz no fim do túnel.

E quanto a você, caro consumidor de shows e eventos? Fiscalize, exija, a sua diversão está ficando cada vez mais cara (para todos), mas é somente o seu prestígio que vai garantir que mais shows venham para cá, que mais empresas resolvam investir aqui e quem sabe, reduzir os preços. Nos Estados Unidos e em países da Europa, os preços são bem mais baixos, pois a concorrência é grande, existem muitas opções de diversão. Será que teremos algo assim aqui no Brasil um dia?

gostou do que leu? compartilhe
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
WhatsApp

comente!

Fechar Menu